O papel do sexo feminino é cada vez mais importante nas sociedades. Delicadas por natureza, transmitem amor e preocupação. Mas será que todas as mulheres sabem disso?

A independência feminina demorou vários anos a conquistar, e resultou da luta de muitas mulheres pelos seus direitos e pela igualdade. Hoje em dia, a mulher das sociedades modernas mostra, com orgulho, a sua força e a sua eficiência. Para ser cem por cento mulher, não precisa de um corpo perfeito ou do melhor cargo numa empresa, precisa sim de inteligência e de se valorizar em primeiro lugar.

No entanto, os valores femininos estão, de certo modo, equivocados. A desvalorização da mulher, o fracasso do casamento e a banalização do sexo, são alguns exemplos de valores que se estão a deturpar.

O papel da mulher na sociedade
Vivemos numa sociedade com os valores cada vez mais degradados, com uma enorme falta de respeito, de amor, de gentileza e de preocupação com os outros. Num cenário destes, é fundamental o papel das mulheres, que são por natureza delicadas e que transmitem amor e preocupação. Porém, se as mulheres se banalizarem, esses valores desaparecem. Podem não desaparecer num ano, ou dois, ou cinco… mas acabam por desaparecer.

Resgatar a essência feminina
É perfeitamente possível a mulher ser moderna sem deixar de lado a beleza, a saúde, a carreira, a vida pessoal e, sobretudo, a família. Cada vez mais as mulheres conquistam o seu espaço no mercado de trabalho, e algumas têm cargos até mais importantes do que os homens. Mas isso não impede que sejam dóceis, femininas e que exerçam o seu papel de esposa, que implica estar ao lado do seu marido, ser companheira, amiga, sem que isso faça com que viva subjugada por ele.

“Conscientizar a mulher do seu papel dentro da família e da sociedade e despertar nelas a importância da autovalorização, é fundamental”, pode ler-se no portal universal.org.

“No Senhor, todavia, nem a mulher é independente do homem, nem o homem, independente da mulher. Porque, como provém a mulher do homem, assim também o homem é nascido da mulher; e tudo vem de Deus” (1 Coríntios 11.11-12).

Deus criou a mulher diferente do homem, precisamente para que se completassem. A felicidade e a realização pessoal, não se conseguem com um trabalho, com um corpo perfeito ou com elogios, mas sim com a Fé, e é nesta que deve estar a felicidade, tanto para as mulheres como para os homens.