Atender mulheres que sofrem ou sofreram Violência Domestica requer emprestar os ouvidos e as deixar desabafarem. São historias longas e com muitos detalhes. Muito sofrimento que ouvindo, às vezes parece que é inexistente. O que é observado é que tudo começa dentro de casa, pequenos muitos filhos já

vivenciam vários tipos de violência. Muitas vezes quando falamos em violência já imaginamos uma briga onde se parte para uma agressão. Não, não tem outros fatores que influenciam muitas maneiras de uma pessoa sentir-se agredida sem mesmo receber uma tapa. Quando discutimos, quando moralmente diminuímos a capacidade de uma pessoa, quando verbalmente ferimos com palavras, tudo gera violência e derruba a autoestima. Quando comemos algo que não nos faz bem de imediato queremos devolver, bom seria que um trauma de violência fosse assim, mas não se cria uma ferida aberta e enquanto a pessoa não se perdoa e não consegue perdoar, a ferida aumenta e fica ali alimentando diversos sentimentos que a leva a um poço profundo. A atenção que essas mulheres veem recebendo no Projeto Raabe tem trazido frutos, pois com o passar dos dias vão observando diferença até no sorriso que já não existia. Requer paciência, detectar o ponto chave do problema e ir orientando, pois nem tudo é falado no primeiro momento. Cada atenção um desabafo até conseguir limpar toda a ferida. O projeto tem sido uma porta para essas mulheres e continuaremos contribuindo e buscando maneiras para alcançar uma vida sem violência.